O ácido fólico protege? De quê?

         No início da década de 80 surgiram os primeiros estudos que indicavam uma associação entre suplementação vitamínica periconcepcional e redução da recorrência de defeitos do tubo neural, tais como anencefalia, espinha bífida e encefalocele. Havia a suspeita de que o ácido fólico seria o responsável pelo efeito protetor.

               O efeito protetor está realmente comprovado?

       Sim, cuidadosos estudos esclareceram o efeito protetor do ácido fólico, demonstrando uma redução de 50% do risco de recorrência para defeitos do tubo neural.

                                       Qual a dose protetora?

       Está confirmado o efeito protetor com uma dose diária de 400 microgramas para prevenção da recorrência e de 1,0-5,0 mg para prevenção de recorrência em mulheres sem e com fator de risco, respectivamente.

        Em que período protege? Que mulheres devem tomar?

       O uso protetor do ácido fólico é periconcepcional e está recomendado não só para mulheres com risco de recorrência, mas também para aquelas sem fatores de risco reconhecidos para defeitos de tubo neural que nunca tiveram uma gravidez afetada (95% dos nascimentos com defeitos do tubo neural ocorrem neste grupo).

       A proteção do ácido fólico só é total se o tratamento for iniciado antes do início da gravidez.

Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ 
Estudo Colaborativo Latino Americano de Malformação Congenita - ECLAMC

Centro Colaborativo da Organização Mundial de Saúde para Prevenção de Malformações Congênitas

ECLAMC

Responsável pelo Disque Gestante: Prof.ª Dr.ª Ieda Orioli

Responsável pela página web: Dr. Daniel Mattos.